19 de janeiro de 2018

Adelco divulga artigo sobre os desafios da juventude indígena em 2017

A Adelco inicia 2018 com diversas atividades internas e externas, uma delas é o balanço e a avaliação que fizemos dos processos políticos que a juventude indígena passou em 2017. Processos estes que pudemos acompanhar de perto com orgulho, graças ao financiamento da União Europeia e ao apoio do Governo do Estado do Ceará.

Para iniciar o ano dando visibilidade às pautas desta juventude, a Adelco articulou dois momentos: o primeiro deles foi o artigo de opinião publicado no jornal O Povo, na sexta-feira, 22 (texto abaixo). A segunda estratégia é nossa participação no primeiro Rádio Debate do ano, na Universitária FM (107,9), ao vivo, onde participaremos junto com o João Kennedy Tapeba, da Cojice, e David Barros, coordenador de política de juventude do Governo do Ceará.

Leia o artigo na íntegra, abaixo:

2017, o ano da Juventude Indígena no Ceará

Falar da juventude indígena causa estranhamento em algumas pessoas: o que andam fazendo e querendo? O desconhecimento da cultura dos povos tradicionais faz com que pessoas nem considerem a afirmação étnica dos índios que usam celular, calça jeans ou fazem faculdade.

Fotografia feita do jornal O Povo impresso, no dia da publicação, em 19.01.18.

O Ceará possui uma população de 10.390 jovens com idade entre 15 e 29 anos, presente nos 18 municípios atendidos pelo Distrito Sanitário Especial Indígena do Ceará (dados SIASI, 2016). A maioria encontra-se em terras em que os processos de demarcação não foram concluídos ou sequer foram iniciados. A verdade é que das 25 terras reivindicadas como áreas indígenas, apenas uma foi homologada.

Nós da Adelco, instituição cearense indigenista, acompanhamos os processos de organização desta juventude desde 2014, quando formou-se a Comissão de Juventude Indígena do Ceará (Cojice), que representa as 14 etnias do Estado. No final de 2016, a Cojice começou a consolidar-se, quando, a partir de um financiamento do Fundo Brasil de Direitos Humanos, retomaram o processo de organização e realizaram diversos encontros.

Em 2017 participaram de atividades para discutir pautas tradicionais, como: demarcação da terra, marco temporal, espiritualidade e outras inéditas como: sexualidade, gênero, comunicação.

Realizaram uma audiência pública sobre as violências sofridas pela juventude, lançaram um documentário na Assembleia Legislativa e marcaram boa presença na Assembleia Estadual dos Povos Indígenas do Ceará. Depois disso, novos encontros promovidos pelo Projeto Urucum, desenvolvido pela Adelco, Esplar, União Europeia e Governo do Estado, propiciaram aos jovens eleger uma nova coordenação para a Cojice e abrir novos canais de articulação e comunicação. No campo cultural, foi a primeira vez que jovens indígenas expuseram suas fotografias como protagonistas.

Os desafios são levantar outras bandeiras que fortaleçam a luta pela terra, além de garantir a formulação de políticas públicas específicas. A Cojice também precisará manter sua dinâmica, uma vez que as dimensões territoriais e a ausência de financiamento são grandes obstáculos.

Adelle Azevedo Coordenadora de projeto da Adelco

adelco@adelco.org.br

Leia direto do O Povo aqui.

Fonte: Comunicação Adelco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *